Projeto Redescola

informar.png

projeto_redescola

softwares educacionais

Colocação Pronominal

O uso dos pronomes oblíquos átonos ME, TE, SE, O(S), A(S), LHE(S) e NOS em relação ao verbo é bastante livre no Brasil: depende muito do ritmo, da harmonia, da ênfase e principalmente da eufonia. Como a pronúncia brasileira é diferente da portuguesa, a colocação pronominal neste lado do Atlântico também difere da de Portugal.

 

O português brasileiro é essencialmente proclítico! , isto é, preferimos usar o pronome na frente do verbo na maior parte do tempo. Tudo poderia se resumir à próclise, então. Mas não é assim tão simples. Há algumas orientações e regras a serem seguidas. Por: Maria Tereza de Queiroz Piacentini.

 Próclise ou ênclise - O pronome pode ficar antes ou depois do verbo quando houver:

1) sujeito explícito antes do verbo:  

  • Ele se manteve / Ele manteve-se irredutível em relação ao divórcio.
  • Desde os dois anos de idade Laís se veste / Laís veste-se sozinha.
  • William Golding se consagrou/ consagrou-se como um mestre em esmiuçar questões complexas da natureza humana.
  • Humilhar o vizinho se tornou / tornou-se uma obsessão para Joel.
  • Por muito tempo aquelas pessoas se debateram / debateram-se com o alcoolismo. 

2) conjunção coordenativa: 

  • Tem rompantes, mas se arrepende / mas arrepende-se depois.
  • Gostei da festa, porém me despedi / despedi-me cedo.
  • O governador foi taxativo e se estendeu / estendeu-se longamente sobre o assunto. 

3) preposição antes de verbo no infinitivo:

  • Temos satisfação em lhe participar / em participar-lhe a inauguração da fábrica.
  • Nas lojas esportivas encontramos o equipamento ideal para nos proporcionar / para proporcionar-nos uma vida sadia.
  • Tenho o prazer de lhes falar! / falar-lhes sobre a filosofia que norteia nossa instituição. 

 

* Maria Tereza de Queiroz Piacentini Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros
'Só Vírgula', 'Só Palavras Compostas' e 'Língua Brasil – Crase, pronomes & curiosidades' - www.linguabrasil.com.br

Obs. Quando o pronome é a/as, o/os, torna-se preferível a ênclise, p. ex.: Conseguido o divórcio, sentiu-se tentada a enganá-lo (em vez de "a o enganar") na divisão dos bens. / Tenho o prazer de convidá-los a comparecer ao batismo. / Folgo por sabê-los bem. 

Recomendações

 Quem quer redigir com correção e estilo deve cuidar para adotar a próclise nas seguintes situações:

1) Os pronomes indefinidos e relativos e as conjunções subordinativas atraem o pronome átono; para facilitar seu reconhecimento, convém notar que grande parte começa com qu:

  • Eis o livro do qual se falou a noite inteira.
  • Procuramos quem se interesse por criação de bicho-da-seda.
  • Quer me arrependa, quer não, irei lá.
  • O resultado das urnas serviu para mostrar a falácia daqueles que se jactavam de uma força política que lhes permitia tudo.
  • Sua carreira política começou em 1955, quando se elegeu vereador pelo antigo PTB.
  • Em sociedade tudo se sabe. / Onde se meteram eles?

 

2) Também as palavras de valor negativo atraem o pronome átono:

  • Nada nos afeta tanto quanto o aumento do leite. / Nunca se viu coisa igual.
  • Não me diga isso para não me! aborrecer. / Ninguém os tolera.
  • Jamais se soube a verdadeira versão dos fatos.

É interessante observar que se a palavra negativa precede um infinitivo não flexionado, o pronome pode vir depois do verbo: Calei para não a magoar = para não magoá-la. / Saí para não os incomodar = para não incomodá-los.

1) Advérbios de um modo geral atraem o pronome átono:

  • Aqui se faz, aqui se paga. / Agora te reconheço. / Sempre se disse isso.
  • Lá se foi nosso dinheiro... / Talvez nos encontremos. / Devagar se vai ao longe.
  • Ele certamente a viu. / Muito nos contaram sobre isso. / Logo se saberá o resultado.

VOCÊ SABIA?

voce-sabia

Biblioteca Virtual

biblioteca-virtual

Projeto Redescola SMS

redescola-sms

Calendário

calendario

Dedicated Cloud Hosting for your business with Joomla ready to go. Launch your online home with CloudAccess.net.